Pavan cancela carnaval e divulga dívidas de Moura Jr. em Paulínia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

446 cheques de fornecedores que não foram pagos em vários setores da administração e uma dívida de 1 milhão e 370 mil reais no hospital municipal. Esta é situação apresentada pelo prefeito de Paulínia, José Pavan Junior, após reassumir o executivo, já que Edson Moura Junior foi cassado pela sétima vez.

O valor dos cheques ainda não foi calculado, mas o fato de não terem sido pagos compromete, por exemplo, a distribuição de remédios. Em coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira, Pavan, mesmo com as dívidas garantiu a manutenção de serviços básicos na cidade e o corte do carnaval, para uso da verba no setor de saúde.

Em caixa, a prefeitura disse ter, neste primeiro dia útil do governo de Pavan, apenas R$ 500 mil.

Pavan também cortou a criação de 187 cargos, com a retirada de quatro projetos enviados pela administração de Edson Moura Júnior, que estavam em tramitação na Câmara de Vereadores e previam a criação de quatro secretarias. A administração de Pavan prevê uma economia de R$ 16 milhões por ano com a medida.

O combustível de carros da prefeitura também vai passar por racionamento por falta de dinheiro, com exceção de ambulâncias e veículos da Guarda Municipal. Os filmes no pólo cinematográfico também estão suspensos. O prefeito garantiu que o salário dos servidores não serão afetados.

Com foco na área da Saúde, a atual administração apontou a falta de 120 medicamentos, de 30 itens médico-hospitalares, falta de manutenção geral nos hospitais, leitos sem uso, contatos vencidos, falta de médicos e funcionário e risco de suspensão dos serviços de laboratório.

Os exames tem situação crítica, com equipamentos quebrados e filas de espera que chegam a 10 mil, no caso da mamografia.

O secretário de saúde, Ricardo Carajeleascow, garantiu remédios num prazo de 60 dias e para amenizar a situação de atendimentos espera parcerias.

A prefeitura explicou que alguns medicamentos que estão em falta na rede de Paulínia fazem parte da cesta do Ministério da Saúde e dependiam apenas de um relatório, que segundo o atual secretário da pasta não foi enviado pela administração de Edson Moura Júnior.

O secretário de Pavan afirmou já ter o relatório e por isso estabeleceu os dois meses de prazo para a disponibilidade dos remédios. José Pavan Júnior reassumiu a prefeitura na sexta-feira.

Assessoria do prefeito Moura Júnior disse que as afirmações de Pavan são políticas e infundadas.

 

Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

Pesquisar

PODCASTS

Mais recentes

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Veja também

Homem é morto pela esposa após agredi-la em Campinas

Um homem foi morto pela esposa na noite desta quarta-feira, no bairro Recanto do Sol I em Campinas. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do Estado, a mulher de 41 anos agiu em legítima defesa e foi liberada após prestar depoimento.

Reportar um erro

Comunique à equipe do Portal da CBN Campinas, erros de informação, de português ou técnicos encontrados neste texto.