Suposta ameaça faz procuradoria pedir prisão de Antonio Meira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A procuradoria Geral da Justiça pediu a prisão preventiva do prefeito de Hortolândia, Antonio Meira, do PT, e a do secretário de segurança pública, Marcelo Borges. O caso investigado é de um suposto esquema de corrupção, desde 2006, quando os dois atuavam na secretaria de finanças na gestão do ex-prefeito Angelo Perugini, também do PT. O prefeito é acusado de fraudar uma concorrência para a compra de rede de cabeamento. O advogado de Meira, Pedro Bueno, diz que o próprio Ministério Público voltou atrás das denúncias. Ele nega fraude.

A reportagem procurou o Ministério Público e assessoria de imprensa disse que o caso está no setor de crimes de prefeitos e que informações não podem ser divulgadas. Uma testemunha que prestou depoimento no processo disse ter sido ameaçada e por isso o pedido de prisão. O prefeito teria ligado para ela. O advogado, Pedro Bueno, diz que não houve coação. Sobre a testemunha reforça que ela foi divergente em alguns momentos.

A defesa do prefeito petista Antônio Meira chegou a pedir novo depoimento da testemunha, mas voltou atrás, como consta nas movimentações do processo no Tribunal de Justiça. Além da prisão preventiva, a procuradoria pede o afastamento de Meira do cargo de prefeito de Hortolândia.

A defesa dele diz que estão tranquilos e que não houve pedido de habeas corpus, já que confiam no andamento do processo.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também