Jornalista espera somar a lista dos 12 mil transplantes de medula do HC da Unicamp

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais de 1200 transplantes de medula óssea foram realizados no Hospital de Clínicas da Unicamp, em Campinas. O Hugo Xavier, jornalista de 25 anos morador de Hortolândia, espera somar a esta lista de procedimentos realizados. Ele descobriu ter leucemia no início do ano. Os planos para 2015 foram adiados até que ele encontre um doador. Em menos de dez dias, o post no Facebook de Hugo contando a necessidade do transplante teve 22 mil compartilhamentos.

Quem se cadastrar como doador de medula óssea para o Hugo vai poder ajudar outras pessoas. O que se busca é compatibilidade entre doador e receptor.

No transplante de medula óssea os glóbulos brancos precisam ser compatíveis. Em 30% dos casos, o irmão do paciente apresenta isso. A irmã do Hugo não teve a compatibilidade. Por isso, o Redome, como chama o cadastro de doadores, é uma esperança.

Além da questão dos glóbulos, outra dificuldade para encontrar um doador, é o medo que algumas pessoas têm em relação ao procedimento da doação. O Diretor da Divisão de Hemoterapia do Hemocentro da Unicamp, Marcelo Adas, explica que há uma média complexidade, porém os riscos aos doadores são raros. Do outro lado, quem recebe a medula tem chances de cura de até 70%, como explica Afonso Celso Vigorito que é coordenador da unidade de medula óssea da Unicamp.

O cadastro para se tornar doador de medula pode ser feito, em Campinas, no Hemocentro da Unicamp, no Hospital da Puc-Campinas,  Mário Gatti ou no Boldrini. Ele consiste num questionário e na retirado um tubo de sangue, igual aqueles para exames de rotina.

É importante que o cadastrado mantenha os contatos atualizados no banco. A qualquer momento, pode aparecer um paciente compatível, em qualquer lugar do mundo, já que os registros são globais.

O Brasil é o 3° maior centro de doadores de medula óssea do mundo. São cerca de 3,7 milhões de doadores, atrás dos Estados Unidos e Alemanha.

Aliás, o número de doadores não é a grande preocupação, mas sim a variedade. Algumas etnias tem pouca representatividade no banco. Especialistas da Unicamp citaram a reportagem, por exemplo, a necessidade, principalmente, de  negros, indígenas e orientais.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também