Unicamp encerra 2018 com 2ª maior receita vinda de royalties com transferência de tecnologia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Arquivo CBN Campinas

A Universidade Estadual de Campinas encerrou 2018 com resultados positivos relacionados a contratos de exploração da propriedade intelectual da universidade para empresas.

No ano passado, foram 115 contratos ativos, que geraram receita de R$ 1,7 milhão – valor que é o segundo maior vindo de royalties com transferência de tecnologia para a universidade. A Unicamp terminou o ano com 22 novas licenças firmadas.

O Relatório de Atividades 2018 da Agência de Inovação, que está disponível online, aponta que a Unicamp também firmou 75 novos convênios de Pesquisa e Desenvolvimento com a indústria no período, parceria que investiu R$ 134 milhões no setor empresarial da universidade.

De acordo com o diretor-executivo da Inova Unicamp, Newton Frateschi, são convênios desse tipo que trazem prestígio aos alunos da universidade, além de colocar projetos de inovação no mercado e trazer retorno financeiro à instituição de ensino.

Segundo Frateschi, os contratos já são elaborados visando retorno econômico à Unicamp.

As pesquisas realizadas são, em maioria, voltadas a patentes. São desenvolvidos novos tipos de fibra ótica, nano estruturas para produção de fármacos e alimentos, por exemplo.

Para o diretor-executivo da Inova, o sucesso dos convênios é a prova de que a faculdade e a indústria podem trabalhar em conjunto no desenvolvimento de projetos inovadores.

Também aparecem no Relatório de Atividades da Inova adequações da Universidade em relação a regulamentações federais e estaduais recentes do Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, como a aprovação da Deliberação Interna da Unicamp.

A nova Deliberação prevê, dentre outras medidas estabelecidas, a obrigatoriedade da Inova em participar de toda a formatação e negociação de convênios de Pesquisa e Desenvolvimento entre a  Unicamp e empresas. A adaptação torna a tramitação dos processos mais ágil, uma vez que a propriedade intelectual, sigilo e exploração da pesquisa ficam sob proteção nas cláusulas do contrato.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também