Justiça nega liminar pedindo bloqueio de bens de Jonas Donizette

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Prefeito de Campinas, Jonas Donizette (Foto: Divulgação/Fernanda Sunega-PMC)

O pedido de liminar para bloquear os bens do prefeito de Campinas, Jonas Donizette, por improbidade administrativa relacionado ao Camprev foi negado pela Justiça. O pedido se refere a uma ação civil pública impetrada pelo Ministério Público contra o prefeito.

O autor da ação, o promotor Luis Felipe Buratto, alega que houve “pedaladas fiscais”, além de irregularidades no parcelamento de débito e no repasse de verbas da Prefeitura de Campinas para o Camprev.

O Juiz Wagner Gidaro, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas, entendeu que é preciso aguardar a “formação do contraditório”, ou seja, a ampla defesa das partes acusadas, antes de deferir qualquer pedido de liminar. De acordo com o Juiz, as provas não são consistentes para justificar um pedido de indisponibilidade de bens.

A decisão da Justiça também beneficia o secretário de Finanças Tarcísio Cintra, o ex-secretário de Finanças Hamilton Bernardes, e José Ferreira Campos Filho, ex-presidente presidente do Camprev.

De acordo com a denúncia, o problema ocorreu no repasse de verbas da Prefeitura ao Camprev em 2015, quando a Prefeitura de Campinas não teria repassado os valores referentes aos inativos ao Camprev nos meses de setembro e outubro de 2015.

Houve, então, a assinatura de um acordo para o parcelamento dessa dívida de débitos previdenciários. O Camprev e a Prefeitura assinaram o acordo em 1º de dezembro de 2015, quando a Prefeitura reconheceu um débito de R$ 8,1 milhões para pagamento em 60 parcelas.

Mas, a dívida foi quitada no dia 23 de dezembro do mesmo ano, no valor de R$ 9,9 milhões. De acordo com o promotor, a manobra gerou prejuízos de R$ 1,2 milhões, o que configura uma pedalada fiscal.

Buratto disse ainda que a prefeitura deixou de efetuar repasses de R$ 3,8 milhões referentes ao acordo patronal de 2011. Com isso, o valor vai para R$ 30,1 milhões, já que a administração municipal teria deixado de honrar o compromisso desde maio de 2016.

Para cumprir o rombo nas contas do Camprev, o promotor aponta que foi repassado para o Financeiro R$ 83,5 milhões do Fundo Previdenciário, que é superavitário e formado por funcionários que entraram na prefeitura após 2003.

Uma estratégia que teria sido adotada também nos messes de outubro a dezembro de 2017, quando foram repassados R$ 132,6 milhões do Fundo Previdenciário para o Financeiro, somando um total de R$ 231,6 milhões.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também