Prefeitura vai gastar mais de R$ 7 milhões com salários de Jonas e secretários

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Um Projeto de Lei assinado pelo presidente da Câmara de Vereadores de Campinas, Marcos Bernardelli  e pelos 1º e 2º Secretários do Legislativo, Rodrigo da Farmadic e Campos Filhos, respectivamente, prevê o reajuste de 4,47% nos salários do prefeito Jonas Donizette (PSB), do vice Henrique Magalhães Teixeira e dos 23 secretários. O projeto entrou em pauta na sessão da última quarta-feira.

Com a alteração, o montante gasto com a folha de pagamento deles, apenas com relação aos provimentos, passará de R$ 591.392,60 para R$ 617.883,75 por mês. Em um ano, a folha consumirá R$ 7.414.596,00, sem contar demais benefícios.

Os salários do prefeito e dos secretários passarão dos atuais R$ 23.894,65 para 24.965,00. Já do vice-prefeito, que é de R$ 17.921,00, passará para R$ 18.723,75. As alterações entrarão em vigor a partir de dezembro.

De acordo com a justificativa do legislativo, o reajuste se tornou necessário em função de uma determinação do Tribunal de Justiça de São Paulo. No entendimento, era ilegal a vinculação automática do índice de reajuste dos servidores públicos municipais à remuneração do alto escalão de governo, medida essa criada através de projeto do legislativo em 2016 e que havia entrado em vigor na atual legislatura, desde 2017. O correto, no entendimento do TJ, era de que o executivo enviasse, ano a ano, um projeto prevendo a correção.

Procurada, a prefeitura de Campinas informou em nota que as leis de reajuste do salário do prefeito são de iniciativa do Legislativo. O artigo 4º, da Lei 15.353/2016, que estabeleceu o valor do subsídio que seria recebido pelo prefeito, pelo vice-prefeito e pelos secretários durante o atual mandato (2017 a 2020), foi considerado inconstitucional. 

O questionamento feito não foi com relação ao valor pago, mas sim sobre a forma da aplicação do reajuste, que segundo entendimento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, deve ser feita por meio de lei própria e não na lei anual de reajuste dos servidores municipais, como realizado em 2018.

Diante de tal decisão, em agosto, o valor do teto voltou a ser o estabelecido na lei de 2016, que era de R$ 23.246,08. A medida atingiu cerca de 150 servidores.

A nova lei, proposta pelo Legislativo, visa corrigir o apontamento feito pelo TJ, restabelecendo, por meio de lei própria, os reajustes.

 

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também