Ponte longe do acesso e Guarani ainda corre risco de cair

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Faltando apenas 7 rodadas para o final da Série B,  só um milagre classifica a Ponte Preta entre os 4 times que vão subir para a primeira divisão.

Já o Guarani segue, com dificuldades, na luta  contra o rebaixamento.

Confira na matemática como estão os objetivos das equipes de Campinas.

UFMG- Universidade Federal de Minas Gerais

Ponte Preta –  0.70% para acesso  e 0.37% para rebaixamento

Guarani –  0.008% para acesso e  14.4% para rebaixamento

 

Site chancesdegol.com.br

Ponte Preta –  1.2% para acesso  e 0.09% para rebaixamento

Guarani –  0.01% para acesso e  18.4% para rebaixamento

 

Site infobola.com – matemático Tristão Garcia

Ponte Preta –  1.0% para acesso  e 1.0% para rebaixamento

Guarani –  0% para acesso e  13.0% para rebaixamento

 

 

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
INVESTIGADOS
0
CONFIRMADOS
0 0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Thallyson e Juninho Piauiense deixam o Guarani

Dois jogadores deixaram o Guarani nesta segunda-feira.  O lateral-esquerdo Thallyson, cujo contrato  terminou no dia 30 de abril, não acertou a renovação com o Bugre e acabou contratado pelo Neftchi, do Azerbaijão. Já o atacante Juninho Piauiense tinha contrato com o Guarani até o dia 30 de novembro, mas em comum acordo com a diretoria rescindiu o vínculo.

Jogadores da Ponte seguem treinando via videoconferência

Sem previsão de volta ao futebol devido ao aumento da pandemia do novo coronavírus, os jogadores da Ponte Preta seguem em um ritmo forte de treinamentos físicos  através de videoconferência com o preparador físico do clube Juvenilson Souza.

Ex-campeãs da F1 vivem crise financeira

Duas das equipes mais tradicionais da Fórmula 1 e intimamente ligadas à história dos pilotos brasileiros atravessam crise financeira antes do início da temporada 2020, adiado por causa da pandemia do novo coronavírus. Por isso, mudanças devem acontecer. A Williams, por exemplo, sete vezes campeã mundial de pilotos e nove vezes de construtores, acumulou prejuízos de R$ 86 milhões em 2019.