Trabalho escravo contemporâneo é debatido em Campinas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em pleno século XXI, o trabalho escravo ainda persiste na maioria dos países. No Brasil a grande concentração ocorre no meio rural, mas, nas áreas urbanas a situação não é muito diferente. As questões foram debatidas no Simpósio “Trabalho Escravo Contemporâneo”, organizado pela da Escola Judicial da Corte e do Comitê de Erradicação do Trabalho Escravo, Tráfico de Pessoas e Discriminação do TRT, da 15 Região.

Um dos palestrantes foi o professor e jornalista fundador da ONG Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto. Segundo ele, desde 1995 o Governo Federal resgatou mais de 54 mil trabalhadores em situação análoga a escravidão. O problema é que no país o combate do trabalho escravo é uma das politicas de estado e não do governo. Porém, apesar do pesares, a  fiscalização continua. Segundo o palestrante a economia acaba se beneficiando do trabalho escravo em nome da lucratividade e competitividade.

Para o professor e doutor em sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Ricardo Rezende Figueira,  a destituição do Ministério do Trabalho foi um grande erro. Em sua opinião, o Governo Federal está empurrando o mercado de trabalho para a chamada uberização. Para complicar a  situação não existem regras sobre as novas  relações de trabalho.

 

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Itens relacionados