Procon publica cartilha de orientação para a Black Friday

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O Procon de Campinas produziu uma cartilha eletrônica gratuita para quem quer se proteger de fraudes na Black Friday, marcado para o dia 29 de novembro. De acordo com o assessor do Procon Campinas, Francisco Togni, são tantas ofertas e promoções, que fica difícil identificar se na real não se trata de uma Black Fraude.  “Precisa observar para que não se caia numa fraude ou compre tudo pela metade do dobro. É claro que tem os bons vendedores que oferece os descontos reais, mas o consumidor deve se informar bem”, diz.   

Uma das dicas de pré compra para não cair numa cilada é verificar o preço do produto desejado antes da Black Friday, para poder comprovar se ele realmente estará em oferta no dia da promoção. Uma recomendação que a consumidora de Campinas, Sandra Souza, testou e aprovou. “Eu fiz uma pesquisa antes e tinha algumas coisas boas sim. Mas tinha outras que estavam com o mesmo preço de antes”, afirma.

No caso de pós compra, se for em loja física, Francisco Togni orienta conferir a política de troca do estabelecimento. Quando forem feitas por telefone, internet ou catálogos, o consumidor tem sete dias para “se arrepender” da compra e devolver o produto, solicitando o dinheiro de volta. “O que vai determinar é a liberalidade do estabelecimento. Tem que ver se a loja tem uma política de troca. Tem que fazer constar isso em nota fiscal”, explica.

Um dos exemplos recentes que poderão exigir ressarcimento é a mudança de local para a final da Libertadores entre Flamengo e River Plate, em razão dos protestos políticos que estão acontecendo em Santiago.A Conmebol e o Flamengo informaram que os torcedores que já compraram ingressos terão preferência para o jogo em Lima ou terão o dinheiro devolvido.

Sobre as passagens e hospedagens, Francisco Togni entende que as empresas devem compor um acordo com os consumidores. “A dica do Procon é que o consumidor tente uma negociação direta com essas empresas. E se elas negarem, o consumidor deve buscar um órgão de defesa do consumidor para intermediar essa negociação”. A cartilha com todas as dicas pode ser consultada gratuitamente no site do Procon Campinas.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos