RMC entra na rota da fabricação e distribuição de drogas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

As facilidades de tráfego oferecidas pela malha rodoviária que corta a região de Campinas tem facilitado a ação de quadrilhas especializadas no tráfico de drogas. A afirmação é do delegado titular da Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes, Luiz Augusto Mita.

A novidade, segundo o delegado, é que a região metropolitana tem se tornado também centro de produção de drogas. No caso da maconha, por exemplo, o produto já tem até nome próprio devido à qualidade. “A logística pra trazer a droga do Paraguai e da Bolívia é muito complicada e isso de certa forma dificulta pro traficante. Então temos sim algumas situações de laboratórios e plantações de maconha”, afirma Mita.

Já no caso da cocaína, não existe o cultivo da planta, mas sim laboratórios que recebem o óleo e produtos químicos para o refino do produto. Da mesma forma que aumentou a produção de entorpecentes na região, tem ocorrido também uma elevação na quantidade de drogas apreendidas.

O delegado cita, como exemplo, uma ação da equipe da Dise que ocorreu em abril deste ano na região do bairro Guarani. A ação resultou na apreensão de armas, munições, maconha e mais de 30kg de cocaína. Além das apreensões, quatro homens foram presos em flagrante. A ação, segundo o delegado, foi resultado de meses de investigações.

“Essa ação envolve investigação pura. A gente começou a ligar as informações e percebeu que eles eram grandes distribuidores. Eles eram muito articulados. E essa é a verdadeira função da Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes”, comemora.

Apesar do trabalho de repressão o numero de pontos de tráfico se prolifera. De acordo com o delegado titular da Dise, dias depois de uma ação bem sucedida surgem novas denuncias. As informações que chegam de inúmeras formas são triadas e cruzadas dentro do trabalho de inteligência da polícia.

Segundo o delegado, o momento de agir tem que ser preciso, pois, caso contrário, pode se perder o trabalho de meses de investigações. As ações de acordo com ele, na maioria vezes, são integradas com a Polícia Civil, Polícia Militar e Guarda Municipal.



Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos