Santa Casa de Franca vai gerir AME em Campinas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em escolha feita em convocação pública na qual outras sete organizações sociais de saúde fizeram propostas, a Santa Casa de Misericórdia de Franca foi a escolhida para a gestão do Ambulatório Médico de Especialidades de Campinas.

Em despacho no Diário Oficial, a Pasta Estadual de Saúde informa que a fundação atendeu ao projeto assistencial encaminhado pelo Departamento Regional de Saúde VII, de Campinas, e que a proposta orçamentária é viável.

A previsão é que o serviço comece a funcionar no ano que vem em uma área no Parque Itália, ao lado do Hospital Mário Gatti. A obra é fruto da parceria entre o Estado, a Prefeitura e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID.

Dias antes da conclusão do processo de escolha da OSS, o prefeito da cidade, Jonas Donizette, do PSB, chegou a informar que havia a possibilidade de participação do Hospital Sírio Libanês. Mas a expectativa não se confirmou.

Na mesma ocasião, porém, Jonas detalhou como será a operação do ambulatório. Em conversa com o governador do estado, João Doria, do PSDB, afirma que ficou acordado que o aporte para o funcionamento será estadual.

“Eu levei uma planilha de custos para o governador e mostrei o quanto eu já tava investindo na saúde. Não tem ajuda de outras esferas de governo. Aí o governador foi sensível e disse que a AME ele vai custear”, relatou o prefeito.

O investimento na construção é de R$ 37 milhões e a previsão inicial de entrega era para março deste ano. A estrutura do prédio terá 31 consultórios médicos, dois odontológicos, centro cirúrgico com seis salas e 20 salas de exames.

Entre os participantes da convocação pública para a gestão da unidade, além da Santa Casa de Franca, chama atenção a participação do Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, o Cejam, envolvido em uma polêmica recente.

No final de 2018, a entidade foi contratada para prestar serviços à Rede Mário Gatti de Saúde sem necessidade de licitação e recebeu R$ 1,6 milhão por seis meses para que garantisse o atendimento no Hospital Municipal Ouro Verde.

O contrato foi alvo de questionamento porque o presidente da Sanasa, Arly de Lara Romeo, aparecia como presidente da entidade no cadastro de empresas da Receita Federal, o que configuraria crime de improbidade administrativa.

Em junho deste ano, no entanto, o inquérito foi arquivado pelo Ministério Público. De acordo com o promotor Angelo Santos de Carvalhaes, ficou constatado que não houve irregularidade na contratação emergencial da OS.

No entendimento do MP, o presidente da Sanasa não fazia mais parte da diretoria da OS desde setembro de 2018. Na época da abertura da apuração, a Prefeitura de Campinas disse que ele não teve participação na contratação.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos