Câmara reúne apoiadores de escola cívico-militar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Leandro Las Casas

Deputados estaduais, vereadores e moradores de Campinas favoráveis à implantação da escola cívico-militar na cidade participaram de um debate na Câmara. O evento aconteceu sem protestos, gritos, ou qualquer ato contrário. A Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Odila Maia Rocha Brito, no Jardim São Domingos, na zona sul, foi a indicada para receber os militares da reserva. A escolha, porém, será votada pelo Conselho Escolar no dia 5.

Antes disso, porém, o vereador Professor Alberto, do PL, convocou a reunião sob a justificativa de entender melhor o assunto, que considera muito criticado, principalmente pelos membros da Casa que são ligados a siglas de esquerda. Além de Alberto, Tenente Santini, do PSD, também integrou a mesa. Se mostrando totalmente favorável à medida proposta pelo Governo Federal, foi mais incisivo e chamou de “mentirosas” as críticas ao modelo de gestão escolar. “Acho importantíssimo, até pra tentar acabar com as mentiras que estão sendo pregadas pelo PT, pelo PCdoB e pelo PSOL. Os vereadores aqui são apoiadores da causa, assim como a grande maioria da população campineira”, diz ele.

Quem falou sobre o programa foram os deputados estaduais pelo PSL,  Valéria Bolsonaro e Tenente Coimbra, presidente da Frente Parlamentar pela Criação das Escolas Militares no Estado de São Paulo, além de Rafa Zimbaldi, do PSB. Valéria foi quem presidiu a discussão. Ela fez questão de informar que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação será respeitada, alegou que os professores serão mantidos nas respectivas atribuições e que só receberão apoio dos militares. “Não serão afetados em absolutamente nada. Eles vão continuar com as suas atribuições, com o projeto pedagógico. A parte militar vai entrar como os monitores. É assim que vai acontecer nas escolas cívico-militares”, defende.

Contrário à medida que colocou Campinas como a única cidade paulista a receber a gestão militar, que definiu como “oportunista”, o Sindicato dos Professores do Estado, Apeoesp, não foi convidado para o debate na Câmara. O evento, inclusive, foi acompanhado por dezenas de pessoas. A maioria se mostrou a favor da medida, que só foi proposta no município após a inscrição no programa federal pelo prefeito de Campinas, Jonas Donizette, do PSB.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também