Jonas nega relação de Campinas com indústria da multa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Valéria Hein

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette, negou que a administração municipal tenha qualquer vínculo com a empresa Cobrasin, envolvida num suposto esquema de indústria da multa em alguns municípios paulistas. A suspeita surgiu após reportagem da Rádio Bandeirantes, que teria obtido o áudio de um funcionário detalhando como o esquema funcionava. Na entrevista, o homem que dizia falar em nome da empresa, detalhou a operação fraudulenta, que consistia no aumento sistemático da aplicação de multas e o consequente rateio do valor arrecadado entre a Cobrasin e as prefeituras.

No áudio, ele citou o contrato feito em Limeira, que geraria uma arrecadação de cerca de R$ 01 milhão por mês. Na última terça-feira, 14, a prefeitura de Limeira anunciou o rompimento de três contratos referentes à fiscalização por radares, processamento de multas e de sinalização de trânsito e semaforização, por causa da reportagem veiculada. A matéria citava ainda que a empresa atuava em Campinas, através de um contrato mantido com a prefeitura. Ao ser questionado, Jonas Donizette afirmou que a própria administração municipal havia procurado a reportagem para desmentir o fato, já que a prefeitura não mantem nenhum contrato em vigência com a Cobrasin. Segundo ele, os valores pagos às empresas que operam os radares em Campinas são fixos e independem da quantidade de multas que são aplicadas no município. “Eu já pedi para a equipe da Emdec entrar em contato com a reportagem, porque eles se enganaram. É outra empresa que opera aqui na cidade. Os nossos radares têm uma remuneração fixa por ponto. Então não importa se ele multa uma pessoa ou 10 ou 100. A quantidade de multa é indiferente para o pagamento à empresa”, garante.

A Cobrasin, empresa responsável pelos contratos de processamento de multas, semaforização e sinalização de trânsito informou em nota que as declarações de seu funcionário são inverídicas e fantasiosas. A empresa comunicou que ele trabalha com sinalização viária e não tem autorização ou competência para falar em nome da Cobrasin

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também