GM suspeito de matar jovem é alvo da corregedoria

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Imagem: Facebook

O guarda municipal de Campinas indiciado por homicídio doloso pela morte do jovem Gustavo Henrique da Silva na Avenida Norte-Sul é investigado pela corregedoria da corporação por não ter reportado os fatos aos superiores. A informação foi confirmada pelo secretário municipal de Segurança Pública, Luiz Augusto Baggio, que questiona a conduta, já que o agente confirma que atirou três vezes, mas diz ter saído do local sem saber que matou a vítima.

Para Baggio, mesmo que estivesse de férias, ele tinha autorização e preparo para portar a arma e deveria ter comunicado imediatamente e de modo oficial sobre os disparos e a ocorrência. Por esse motivo, será alvo de uma apuração interna. “Ele vai ter que esclarecer sobre a omissão da informação. Ele disse que não fez o relato porque estava de férias e conta que depois ficou temeroso por se tratar de um homicídio. Mas ficou devendo a explicação à instituição”, defende.

Segundo o delegado do Setor de Homicídios de Campinas, Rui Pegolo, o jovem foi morto por ter fingido estar armado e entrar na frente do carro do guarda. O agente alega que desceu do veículo e atirou, mas não viu que baleou a vítima. Apesar de indiciado por homicídio doloso, a Polícia Civil não fez o pedido de prisão preventiva por concluir que o GM se apresentou para prestar depoimento sobre o caso e não possui antecedentes criminais. Mas a investigação continua.

E o secretário de Segurança Pública, Luiz Augusto Baggio, deixa as conclusões para os órgãos competentes e foca na apuração sobre a conduta e a disciplina, principalmente pelo fato do guarda ter treinamento para o manuseio de armas. “Então sempre que você tem em mente que você está com uma arma e a sacou, a missão é impedir a agressão. Por isso precisamos apurar em que medida foi justificada a legítima defesa e identificar se houve ou não irregularidade”, diz.

Gustavo Henrique da Silva, de 26 anos, estaria embriagado quando fingiu estar armado e abordou pessoas na Avenida Norte-Sul. Ele foi morto no início da manhã do dia 27 de janeiro. O corpo foi encontrado em um barranco na via.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também