Cultura paralisa e faz demissões na pandemia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
O principal teatro comercial de Campinas e de todo interior de SP, que fica localizado no Shopping Iguatemi Campinas, já sente dramaticamente os efeitos dos cancelamentos e adiamentos de espetáculos, com 20 demissões até o momento, além da jornada de trabalho para os que ficaram e da consequente diminuição do salário.

O segmento cultural em Campinas, que engloba museus, shows, espetáculos teatrais entre outras manifestações artísticas, está totalmente paralisado por conta das restrições de aglomeração adotadas na cidade e em quase todo o país em uma tentativa de conter o novo coronavírus.

O entretenimento ao vivo foi um dos primeiros a serem afetados, pois a presença do público, geralmente em assentos colados uns aos outros no caso de teatros ou sem nenhuma distância, como nos grandes shows, inviabilizou a continuidade das atividades.

Companhias de teatro dispensaram atores e técnicos, museus adiaram exposições, além dos Shoppings, importantes vetores culturais, que anunciaram o fechamento até o final de abril.

O principal teatro comercial de Campinas e de todo interior de SP, que fica localizado no Shopping Iguatemi Campinas, já sente dramaticamente os efeitos dos cancelamentos e adiamentos de espetáculos, com 20 demissões até o momento, além da jornada de trabalho reduzida para os que ficaram e da consequente diminuição do salário.

Além do Teatro Iguatemi Campinas, que deixa os 525 lugares da plateia vazios pelo menos até o início de maio, outro teatro tradicional da cidade, este voltado ao público infantil, o Teatro Sotac, contabiliza 45 artistas que já estão sem trabalho. Ainda no público infantil, a Cia Arte & Manhas registra 40 cancelamentos de apresentações apenas nas próximas semanas e ainda calcula os prejuízos.

Um dos shows mais aguardados do ano em Campinas também foi adiado. Roberto Carlos cantaria no Royal Palm Hall, braço de eventos do Hotel Royal Palm Plaza, em 08 de maio. Mais de 3.500 pessoas que compraram ingressos terão que aguardar mais um pouco para assistir um dos maiores artistas do país em Campinas. Uma nova data será divulgada.

Os fãs da sétima arte também estão órfãos em Campinas com todas as 53 salas de cinema fechadas. O fato da cidade possuir um dos maiores índices de salas por habitante do país – a conta é essa: para cada 20.000 pessoas em Campinas existe uma sala de cinema, número digno de países europeus – neste momento não faz a menor diferença.

O coronavírus chegou para modificar a rotina do público, artistas, produtores e exibidores de arte, que não veem a hora dessa epidemia passar.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
CONFIRMADOS
0
INVESTIGADOS
0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Um Porto para Elizabeth Bishop chega em versão on-line

Na versão on-line do espetáculo, a atriz  parte da sua experiência na peça Um Porto para Elizabeth Bishop, para contar sobre o período em que a poeta norte-americana viveu no Brasil. Ela interpreta a aventura de uma mulher frágil e solitária diante de um país estranho e de seus demônios internos. As cenas servem de ilustração para o relato da atriz sobre a personagem e sobre seu trabalho na peça, escrita especialmente para ela por Marta Góes.