Estudo aponta moléculas que podem inibir vírus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Danilo Braga
Foto: Danilo Braga

Um estudo do laboratório do CNPEM, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, em Campinas, encontrou duas moléculas que podem ser úteis na fabricação de futuros medicamentos que venham inibir a dissipação do novo coronavírus. Mais de 2 mil partículas foram estudadas com inteligência artificial. De cinco selecionadas, duas, utilizadas em medicamentos já existentes, passarão por testes que podem comprovar que a reprodução do vírus seja interrompida. O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Marcos Pontes, visitou o complexo e anunciou verba federal de R$ 5 milhões para as pesquisas. 

Os testes in vitro têm o prazo de duas semanas para apresentar resultado, seja positivo ou negativo. O próximo passo, caso haja a descoberta, é testar em pessoas. O ministro Marcos Pontes explica que essa etapa é um pouco mais complicada.

Como as moléculas são utilizadas em remédios que já existem, caso tenham a eficácia comprovada em humanos, os possíveis novos medicamentos poderiam chegar ao mercado rapidamente. Para evitar corrida às farmácias, como houve com a cloroquina mesmo sem resultados conclusivos, os nomes das substâncias testadas em contato com o novo coronavírus não foram divulgados. Mas pesquisadores do CNPEM informaram que os fármacos têm baixo custo e encontrados facilmente no mercado. São utilizados em diversos tipos de tratamento, com poucos efeitos colaterais.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
INVESTIGADOS
0
CONFIRMADOS
0 0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Preços de hortifruti variam no surto

O boletim do Prohort da Companhia Nacional de Abastecimento mostrou que durante a pandemia de covid-19, os preços de frutas e verduras sofreram muitas variações. Parte