Órgãos cobram UPA Carlos Lourenço aberta por 24h

Foto: Danilo Braga

Depois de oito anos de atraso, Campinas inaugurou a Unidade de Pronto Atendimento do Carlos Lourenço no ano passado, mas o local que deveria funcionar 24 horas por dia, fica fechado aos finais de semana. O esquema de funcionamento da UPA sempre foi criticado, tanto pelo Conselho Municipal, quanto pela Comissão de Saúde da Câmara de Campinas. As críticas vinham por causa da dificuldade que parte da população da região leste tinha de acesso à saúde pública, principalmente após o fechamento da UPA do centro da cidade.

Com a pandemia provocada pelo novo coronavírus e a necessidade de ampliar a capacidade de atendimento pelo SUS na cidade, as autoridades ligadas à área entendem que o local poderia ajudar a receber os pacientes. Mas diante da gravidade do quadro atual, o fechamento da unidade aos finais de semana inviabilizaria esse auxílio.

A presidente do Conselho Municipal de Saúde de Campinas, Nayara Oliveira, acredita que a UPA poderia ser muito importante para dar suporte aos hospitais que enfrentarão dificuldades por causa da pandemia. “Agora especificamente em relação ao covid-19, ela teria um papel muito importante de desafogar aqueles serviços que tem que atender os casos graves. Se ela funcionasse no final de semana, ela de fato cumpriria um papel fundamental para desafogar os hospitais, que terão uma baita pressão”, afirma.

O vereador Pedro Tourinho, do PT, é presidente da Comissão de Saúde da Câmara e compartilha da mesma opinião do conselho municipal. Ele afirma que Campinas ainda tem um tempo para organizar melhor o funcionamento de todas as unidades de saúde da cidade.

“Está ficando claro para a gente que nós estamos com alum tempo de folga para São Paulo, mas nós não vamos ter uma realidade diferente de lá, já que são cidades populosas que ficam próximas. Nesse sentido, a UPA do Carlos Lourenço precisa realmente funcionar sete dias por semana. A prefeitura já sinalizou isso e a gente espera que isso ocorra após a contratação emergencial dos profissionais da área da saúde”, disse.

O presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta, garantiu que o atendimento da UPA Carlos Lourenço será integral, inclusive aos finais de semana. Ele afirma que para isso acontecer, basta apenas a rede encerrar o processo de contratação emergencial de profissionais para a área da saúde.

“A contratação emergencial servirá inclusive para ampliarmos o funcionamento da UPA Carlos Lourenço em tempo integral, inclusive aos finais de semana. Assim que esse pessoal entrar, vai acabar com aquele negócio de fechar a unidade da sexta para o sábado. E isso também causa um grande transtorno operacional. A medida em que o pessoal for sendo contratado, nós vamos colocar lá, na linha de frente, digamos assim”, garantiu.

Garantia de abertura

Após a repercussão da reportagem, o prefeito Jonas Donizette informou que a UPA Carlos Loureço ficará aberta aos finais de semana e terá leitos para atendimento de pacientes com coronavírus, mas não estipulou uma data específica para o serviço começar

O atendimento dos pacientes com coronavírus será feito na ala da pediatria, que ainda não está em funcionamento.

A prefeitura disse que trabalha para que a abertura aos sábados e domingos aconteça nas próximas semanas, após a contratação dos profissionais que irão compor as equipes da unidade e outras adequações técnicas necessárias.

Compartilhe!

Pesquisar

PODCASTS

Mais recentes

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Veja também

Por orientação de advogado, Zé Carlos não comparece à sessão da Câmara

No dia em que foi deflagrada a Operação Lambuja, com mandados de busca e apreensão na Câmara e endereços ligados ao vereador Zé Carlos (PSB), o presidente do Legislativo foi orientado pelo advogado dele, Ralph Tórtima Stettinger Filho, a não comparecer à Sessão Ordinária desta quarta-feira.

A sessão desta quarta, no Teatro Bento Quirino, é presidida pela vice-presidente da Casa, Débora Palermo (PSC).

Vereadores de oposição apresentam pedido de investigação contra Zé Carlos

Os vereadores Nelson Hossri (PSD) e Marcelo Silva (PSD) apresentaram nesta quarta-feira um pedido de Comissão Especial de Inquérito (CEI) para apurar os fatos envolvendo a suposta cobrança de vantagens indevidas para manutenção ou prorrogação de contratos de empresas terceirizada pelo Legislativo por parte do Presidente da Câmara, o vereador Zé Carlos (PSB).

A defesa de Zé Carlos alega inocência do vereador.

Reportar um erro

Comunique à equipe do Portal da CBN Campinas, erros de informação, de português ou técnicos encontrados neste texto.