Crise afeta mais empresários com menor escolaridade

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Os pequenos negócios geridos por donos com menor escolaridade foram os mais afetados na crise gerada pela pandemia de coronavírus. A conclusão é de uma pesquisa feita pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas.

O levantamento entrevistou 7.403 microempresários e detalhou que 87% perderam faturamento. Entre os que precisaram interromper as atividades, 44% possuem formação até o Ensino Médio e 41% disseram ter nível superior.

O economista e doutorando em Desenvolvimento Econômico pela Unicamp, Anderson Pellegrino, avalia que o resultado comprova o motivo da dificuldade das pessoas em manter, por exemplo, as operações digitais das empresas.

“A gente sabe que há uma inserção digital maior entre pessoas de maior escolaridade, o que significa maior domínio de plataformas de comércio eletrônico, de meios de pagamento e de redes sociais também”, explica ele.

A limitação maior de parte dos empreendedores é mostrada também pelos percentuais de negócios que funcionam apenas presencialmente: 47% entre os de nível médio e 33% entre os que alcançaram formação no ensino superior.

A realidade é reafirmada pelos dados dos microempresários que conseguiram aumentar as vendas de forma on-line na pandemia: 41% dos que estudaram além do Ensino Médio e 37% entre aqueles com menor escolaridade.

Mas além de falta de domínio de espaços de divulgação e contato que permitem as vendas à distância, o economista e doutorando Anderson Pellegrino cita também a falta de compreensão de elementos de gestão de posicionamento.

“O menor nível de escolaridade também pode significar menor capacidade de planejamento, de posicionamento no meio digital e de execução de orçamento. Tudo isso carece de estudos, vivência e de conhecimentos”, opina ele.

Os empresários com grau menor utilizam mais o WhatsApp e menos o Instagram, Facebook e sites próprios. Com maior escolaridade, 56% utilizavam o Instagram, enquanto 37% com menor formação usavam a ferramenta.

As informações captadas entre 29 de maio e 2 de junho detalha também as dívidas: 23% dos empreendedores com menos escolaridade possuem pendências, enquanto 30% daqueles com nível superior estão nessa situação.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
CONFIRMADOS
0
INVESTIGADOS
0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também