SBI quer ampliar uso de oxímetro contra covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Médicos e autoridades de saúde participaram de um debate que discutiu o uso de oxímetro na luta conta a covid-19 no país. O aparelho mede a saturação de oxigênio no sangue e indica quando esses níveis estão em baixa. Uma das mais graves consequências da covid-19 é a Síndrome Respiratória Aguda Grave, responsável por grande parte dos óbitos registrados até aqui.

A iniciativa, conduzida pela Sociedade Brasileira de Infectologia, quer antecipar o atendimento médico aos pacientes propensos a desenvolver o quadro. Por isso, oxímetro se tornou uma ferramenta poderosa, já que mede o nível de oxigenação no sangue de pacientes com o coronavírus, indicando quando ele deve procurar ajuda nas unidades de saúde.

O médico infectologista e presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Clóvis Arns, o paciente que tiver uma saturação menor que 94 deve procurar ajuda médica, mesmo que esteja assintomático. Ele explica que nesse tipo de caso, provavelmente haverá a necessidade de internação. “Vários pacientes, em vários municípios do Brasil, eles estão chegando tarde. Eles chegam nas UPAs, já com hipoxia grave, hipoxia crítica e tem que ir para a UTI. Nós chamamos de hipoxia, a ponto de precisar ir para o hospital, quando a saturação do oxigênio está menor ou igual a 93. Então, no nosso protocolo da SBI, nós colocamos que todo paciente que tem saturação a partir de 93 ou 94, tem que passar por uma avaliação médica, porque provavelmente este paciente vai precisar ser internado”, afirma.

O secretário de saúde de Campinas, Carmino de Souza, lembra que no início da pandemia a orientação das autoridades era para as pessoas buscarem socorro médico somente quando sentissem falta de ar. Hoje, ele entende que a recomendação foi um erro e que é necessário antecipar o agravamento do quadro respiratório, com o uso de oxímetros. “No começo da epidemia no Brasil, até orientado pelo Ministério da Saúde, era um conceito da época. E nós erramos. Isso que nós estamos falando não é o conceito de dois meses atrás. O conceito de dois meses atrás faz analogia a outras causas de dispneia e só deveria ir à unidade de saúde se estivesse com dispneia e não como é hoje. Hoje estamos atrás daqueles (sintomas) que podem ter agravos importantes, com a oximetria normal, mas sem sintomas de dispneia”, explica.

As autoridades estiveram reunidas em um debate virtual, transmitido ao vivo através das redes sociais.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
CURADOS
0
CONFIRMADOS
0
INVESTIGADOS
0
MORTES
Play Video

Ao vivo

CBN Campinas

99,1 FM

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também