Campinas nega suspensão de cirurgias por covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Reprodução/Facebook

As cirurgias eletivas não serão suspensas em Campinas para garantir leitos de atendimento à covid-19, mesmo após o anúncio da medida pelo Governo do Estado de São Paulo nesta quinta.

A afirmação é do prefeito Jonas Donizette, do PSB, que definiu a ocupação das vagas como “confortável” na rede municipal e reafirmou que os números de casos e mortes seguem em queda.

“Em Campinas nós não teremos suspensão de cirurgias eletivas. E também o nosso quadro hospitalar, tanto municipal quanto estadual, estamos confortáveis em enfermaria e UTI”, afirmou.

A decisão do governo estadual foi condicionada ao aumento de internados e contaminados no estado. O decreto determina que os hospitais não desmobilizem leitos exclusivos.

Em Campinas, segundo Jonas, o Hospital de Clínicas da Unicamp e o Ambulatório Médico de Especialidades, seguirão a definição estadual, já que a gestão é do Palácio dos Bandeirantes.

Na coletiva em que anunciou a manutenção dos procedimentos eletivos, Jonas reforçou que Campinas não possui qualquer previsão de adotar novas restrições ao comércio e às atividades.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
CURADOS
0
CONFIRMADOS
0
INVESTIGADOS
0
MORTES

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Comércio da RMC perde R$ 5 bi em faturamento em 2020

De acordo com os dados da Boa Vista SCPC, o comércio da região sofreu com uma queda de 13,67% no faturamento e de 6,10% no volume de vendas, em 2020, na comparação feita 2019. Em termos monetários a queda no faturamento regional foi de R$ 5 bilhões. Apesar das reduções nos índices o faturamento na RMC foi de R$ 5,9 bilhões, um movimento financeiro que corresponde a 93,90% do faturado em 2019.