Pandemia afeta saúde mental e física de jovens

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto : Flávio Botelho

Um estudo realizado pela  Unicamp em parceria com Fiocruz e UFMG, a Universidade Federal de Minas Gerais aponta as consequencias da pandemia da Covid-19 na saúde física e mental dos adolescentes em todo o país.

A pesquisa recém divulgada, ocorreu de forma virtual no período de 27 de junho a 17 de setembro e envolveu um universo de 9.970 adolescentes de 12 a 17 anos. O estudo mostra que 3,9% tiveram diagnostico da doença.  A maioria, ou seja 71,5%, aderiu as medidas de restrição social. Do total da amostra 30% demonstrou que viu a saúde piorar na pandemia.

A dona de casa, Letícia Luz Batista, é mãe de uma adolescente e de uma menina de seis anos. Segundo ela a pandemia afetou não saúde das filhas, mas, a da família como um todo.

O depoimento da dona de casa, reflete os resultados da pesquisa. De acordo com a professora da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Marilisa Barros, a pandemia interferiu de forma significativa no estado emocional dos adolescentes brasileiros.

Os dados da pesquisa Convid Adolescentes – Pesquisa de Comportamentos, apontou também que grande parte apresentou piora no sono, na alimentação, no humor e aprendizado durante a pandemia. O percentual de adolescentes que relataram piora na qualidade do sono foi de 36,0%, sendo que 23,9% começaram a ter problemas e 12,1% relataram que já tinham e que eles aumentaram. Grande parte dos adolescente relataram também dificuldades no aprendizado remoto.

Outros 37% dos adolescentes que responderam as questões afirmaram não ter encontrado problemas no aprendizado durante a pandemia. O que chamou a atenção também, segundo a professora da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Marilisa Barros, foi o sedentarismo, pois mais de 40% relataram não praticar nenhuma atividade física. Já os que praticavam pelo 60 minutos de atividades por semana ficou a 15,7%.

Durante a pandemia, mais de 60% dos adolescentes relataram ficar por mais de 4 horas em frente às telas de computador, tablet ou celular.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Desemprego cresce 31,85% em Campinas

Um levantamento da ACIC, com base nos dados do CAGED, apontou que em 2020 o desemprego em Campinas cresceu 31,85% , na comparação com 2019. O ano de 2020 fechou com 108.662 trabalhadores sem emprego. Em 2019, eram 82.413. No entanto, o Secretário Municipal de Trabalho e Renda, Gustavo Di Tella Ferreira, acredita que com o avanço da vacina, haverá aos poucos a retomada no emprego.