Apesar de queda, venda de 0 km em 2020 é bem avaliada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
A redução de 26% nas vendas de veículos novos no Brasil em 2020 não é um resultado ruim, segundo o economista da PUC-Campinas, Paulo Oliveira. Para ele, diante do cenário de crises sanitária e financeira, alguns motivos e medidas adotadas no ano evitaram um colapso maior. Na visão do professor, o auxílio-emergencial explica a manutenção do setor e de outras atividades na pandemia.
Foto: Arquivo

A redução de 26,16% nas vendas de veículos novos no Brasil em 2020 não é um resultado ruim, segundo o economista da PUC-Campinas, Paulo Oliveira. Para ele, diante do cenário de crises sanitária e financeira, alguns motivos e medidas adotadas no ano evitaram um colapso maior.

Na visão do professor, o auxílio-emergencial explica a manutenção do setor automobilístico e de outras atividades durante a pandemia, porque permitiu a continuidade do consumo das famílias. Com isso, a ida ao comércio na quarentena, por exemplo, refletiu na cadeia produtiva nacional.

“Não é que o auxílio-emergencial foi utilizado pra se comprar carros novos. É que, ao usar o valor para consumir no comércio, por exemplo, o consumidor permite a manutenção da atividade. E aí o comerciante pode comprar um carro e, com isso, sustentar a atividade da indústria”, explica.

Os dados são da Fenabrave e mostram que em 2020 cerca de 2 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus foram emplacados. Ainda segundo a associação dos concessionários, essa foi a primeira queda em quatro anos e o maior tombo anual desde 2015, com 26,55%.

Depois de enfrentar também a falta de componentes e peças no último ano, a entidade que representa o setor prevê alta de 16% ao final de 2021. A projeção se baseia na expectativa de crescimento do PIB e na retomada da economia. Mas o economista Paulo Oliveira pondera.

“2021 é um ano que tem preocupado bastante nós economistas. Em primeiro lugar porque a pandemia continua e está em ascensão no Brasil. E porque nós temos visto uma desorganização do Plano Nacional de Imunização, o que não era esperado pela expertise do Brasil no tema”, diz.

Sem conseguir desvincular o desempenho da economia do enfrentamento adequado à covid-19, principalmente sobre a vacinação, o professor da PUC cita ainda que o endividamento do Estado não deveria ser um problema neste momento, ao contrário do que é feito pelo Governo Federal.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
CURADOS
0
CONFIRMADOS
0
INVESTIGADOS
0
MORTES

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também