HC da Unicamp enfrenta novas denúncias sobre prioridades na vacinação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Danilo Braga

Após a denúncia formalizada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp na última quarta-feira, 13, de que profissionais da saúde estariam sendo vacinados sem que estejam atuando na linha de frente da covid-19, novos casos foram relatados nesta sexta-feira. O problema se refere ao lote de 04 mil doses da CoronaVac recebido pelo Hospital de Clínicas da universidade para a imunização do corpo clínico da unidade que atende pacientes com covid-19. Os questionamentos sobre possíveis casos de ‘fura fila’ na vacinação começaram logo após o início da vacinação.

Para o sindicato, o estopim foi a imunização de uma professora da Faculdade de Ciências Médicas que não atuaria na linha de frente no combate à pandemia. A superintendência do Caism informou que ela dá plantão na unidade há 30 anos e que por isso se enquadrava no grupo prioritário para receber a dose. De todo modo, o sindicato pediu transparência no processo de vacinação, com a divulgação do nome das pessoas que receberem a vacina. Agora, novas denúncias sobre o mesmo problema surgiram.

Uma funcionária do HC que não quis se identificar e pediu para ter a voz distorcida com medo de represálias, disse que o houve prioridades entre funcionários do mesmo setor. Ela afirma que o HC não divulga a relação dos nomes dos vacinados, porque há irregularidades. “Tem funcionário que recebeu a dose, que trabalha no mesmo setor de quem recebeu. Não conseguiu nem comemorar o recebimento da tão esperada vacina, porque vê o colega passar pela humilhação que está passando. Olha, não imaginei passar por isso no HC. Os nossos líderes pensaram neles primeiro. Na última nota enviada à comunidade, eles dizem que não podem divulgar uma lista com os nomes de quem recebeu a vacina por sigilo. Nós sabemos que não vão divulgar por estar fora do critério de imunização”, afirmou.

A representante da residência médica da Unicamp, Lorena Vasconcellos, disse que até o memento, apenas parte da residência médica recebeu o chamado para a vacinação. Segundo ela, houve denúncias de que determinados grupos e profissionais estariam sendo privilegiados e que o HC reforça as dúvidas ao não propor uma campanha de vacinação com transparência. “Existem denúncias de que houve irregularidades, mas não existem provas de que houve irregularidades. O que a gente quer é uma transparência da situação, o que até então não estava tendo”, afirma.

O coordenador de assistência e vice superintendente do Hospital de Clínicas da Unicamp, Plínio Trabasso, explica que houve duas situações que favoreceram o questionamento sobre a aplicação da vacina na unidade. A primeira foi a antecipação do início da vacinação e a segunda o número reduzido de doses enviadas à unidade de saúde, suficientes para imunizar apenas 1/3 dos profissionais do HC. Deste modo, Plínio Trabasso afirma que foi necessário priorizar ainda mais os grupos para a vacinação, o que gerou dúvidas sobre a lisura do processo. “Além da antecipação não programada, teve essa redução drástica no número de doses. Por conta disso, nós tivemos que priorizar os funcionários e os trabalhadores da saúde, que atuam diariamente no contato diário e continuado com os pacientes internados para tratamento de covid”, disse.

A Unicamp emitiu uma nota informando que as listas foram constituídas pelos setores competentes com responsabilidade e imparcialidade e incluem profissionais que representam a força de trabalho no cuidado à doença, e, portanto apresentam maior risco de contaminação por estarem em contato direto com os pacientes confirmados ou suspeitos.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Combustível e gás de cozinha sofrem novo aumento

Um novo reajuste para os combustíveis foi anunciado pela Petrobras. O aumento foi de 4,8% nas bombas. O preço do litro da gasolina para as distribuidoras subiu para R$ 2,60, o que representa um aumento médio de R$ 0,12 por litro no preço de venda. Este é o quinto reajuste da gasolina em 2021. No acumulado de 2021, o aumento já soma  41,3% aos distribuidores. Wilson Bernardes é autônomo e trabalha com entregas.  A cada dia, ele vê o lucro do negócio despencar porque, com a crise, ele não tem como repassar esse aumento para os clientes.