Veículos usados são mais afetados pela reforma do ICMS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
A reforma do ICMS anunciada pelo Governo do Estado de São Paulo terá um grande impacto no setor de veículos usados. De acordo com o diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil, Welinton Mota, a medida, prevista para começar em 15 de Janeiro, prevê que o percentual de ICMS a ser cobrado nessas transações passará de 1,8% para 5,53%, o que representa um aumento de 207%.
Foto: Leandro Las Casas

A reforma do ICMS anunciada pelo Governo do Estado de São Paulo terá um grande impacto no setor de veículos usados. De acordo com o diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil, Welinton Mota, a medida, prevista para começar em 15 de Janeiro, prevê que o percentual de ICMS a ser cobrado nessas transações passará de 1,8% para 5,53%, o que representa um aumento de 207%.

Com isso, o setor de veículos usados será um dos mais afetados com a reforma do ICMS. O especialista explica que no caso dos veículos novos, a partir de 15 de Janeiro, a alíquota do ICMS será aumentada de 12% para 13,3%, com previsão de novos reajustes. Para Welinton Mota, não tem como o setor assumir sozinho esse aumento tributário e consequentemente haverá um repasse ao produto final. A previsão é de que o aumento no ICMS gere um impacto de 4 a 5% no preço dos veículos.

A Secretaria da Fazenda e Planejamento alega que esta foi uma opção encontrada para manter o equilíbrio fiscal do Estado em razão da pandemia. Esclarece ainda que a renúncia fiscal concedida pelos governos no decorrer dos anos é de cerca de R$ 40 bilhões por ano.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Desemprego cresce 31,85% em Campinas

Um levantamento da ACIC, com base nos dados do CAGED, apontou que em 2020 o desemprego em Campinas cresceu 31,85% , na comparação com 2019. O ano de 2020 fechou com 108.662 trabalhadores sem emprego. Em 2019, eram 82.413. No entanto, o Secretário Municipal de Trabalho e Renda, Gustavo Di Tella Ferreira, acredita que com o avanço da vacina, haverá aos poucos a retomada no emprego.