Exposição Mãe Preta integra a programação do XII Festival Hercule Florence

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: : Patrícia Gouvêa

Texto: Assessoria de Imprensa

A exposição Mãe Preta, da dupla de artistas Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa, teve início na sexta-feira (19), no Instituto Pavão Cultural, em Barão Geraldo às 17h. A mostra, que segue até 18 de abril, é parte da programação do XII Festival Hercule Florence e faz uma reflexão sobre imagens da maternidade negra em arquivos históricos e a luta dessas mulheres contra o racismo e a violência.

Segundo as artistas, o ponto de partida da exposição são representações de relações maternas no vasto acervo de imagens da escravidão feitas por artistas viajantes e fotógrafos, além de jornais de época. Por meio de intervenções nessas imagens com objetos óticos, como lupas e vidros, são destacadas a duplicidade e complexidade das relações das amas-de-leite com as crianças brancas aos seus cuidados e com seus próprios filhos. Dois trabalhos em vídeo completam o projeto, realizados em parceria com mães negras do Rio de Janeiro e com lideranças femininas do Quilombo Santa Rosa dos Pretos, no Maranhão.

Fazenda Roseira ganha instalação Mural das Heroínas Negras

Nesta nova montagem em Campinas, onde a relação da cidade com a memória da escravidão sofreu diversos apagamentos históricos, segundo as artistas, o evento conta ainda com parceria do Grupo Cultural Fazenda Roseira, onde a instalação estará de forma permanente por meio de réplicas do Mural das Heroínas Negras, com retratos de dezesseis entre centenas heroínas negras na história brasileira e que simbolizam a presença fundamental da mulher negra na formação histórica do país. “A cegueira da sociedade branca brasileira em relação à questão racial é por definição criminosa, pois advém de um legado escravagista que ela custa em admitir e reparar. Acreditamos que a arte tem uma importante contribuição na luta antifascista, pois tem o poder de criar novas imagens e novos vocabulários que operam no inconsciente dos espectadores”, afirma Patricia.

Mãe Preta teve sua primeira montagem em 2016 no Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos no Rio de Janeiro, por meio do Edital Fomenta Cidade Olímpica; pelo Palácio das Artes em Belo Horizonte em 2017 como uma das selecionadas no edital da Fundação Clóvis Salgado e, com o Prêmio Circulação Conexão Artes Visuais da Funarte, foi apresentada no Complexo Funarte em São Paulo em 2018 e no Chão SLZ em São Luís do Maranhão entre 2018/2019.

Protocolos sanitários

A exposição seguirá os protocolos sanitários prévios em todos os locais como uso de máscaras obrigatório e visitas controladas segundo as características de cada espaço. Todos os locais possuem área externa para aguardar o horário de visitação. As visitas podem ser feitas por agendamento prévio pelo telefone: 19 996334104 ou visitação espontânea sujeita ao controle de no máximo 15 pessoas por horário. Os visitantes devem ainda seguir as orientações do local, fazer uso de máscaras, manter distanciamento social, higienização dos calçados na entrada, medição de temperatura e higienização de mãos com álcool em gel disponível no local.

Serviço:

Exposição Mãe Preta

Local: Instituto Pavão Cultural

Rua Maria Tereza Dias da Silva, 708  – Barão Geraldo – Campinas

Abertura: 19/02, às 17h

Visitação: de 19/02 a 18/04 (de quarta à sábado), das 14 às 20h

Agendamento: (19) 99633-4104

Sobre o Festival

Criado em 2007, o Festival Hercule Florence tem como matriz a invenção isolada da fotografia no Brasil, feita em Campinas, em 1833, por Hercule Florence, considerado o pai da fotografia. Esse fato desencadeou na cidade atitudes fotográficas no percurso dos séculos. Dessa cultura fotográfica, nasceram os grupos de fotografia e o festival, a partir da criação da Semana Hercule Florence. Mais de 120 mil pessoas e 80 fotógrafos brasileiros e estrangeiros já participaram do evento ao longo dos anos.

Este ano, o XII Festival Hercule Florence é um dos projetos fomentados com recursos da Lei Aldir Blanc – EDITAL PROAC EXPRESSO LAB Nº 40/2020 por meio da SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA DE SÃO PAULO.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Série baseada em fatos reais estreia na Netflix

“O Falsificador Mórmon”, série documental da Netflix que conta uma história intrigante baseada em acontecimentos reais, chega com a primeira temporada ao catálogo. A produção aborda três atentados a bomba que mataram duas pessoas na comunidade mórmon de Salt Lake City, nos EUA. “Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta”, que também estreia no serviço, mescla drama e comédia.

Museu Exploratório traz oficinas para crianças e jovens

Entre os dias 02 e 04 de março, às 17h, o Museu Exploratório da Unicamp oferece oficinas online e gratuitas para crianças e jovens. A primeira oficina será sobre os biomas brasileiros, para crianças a partir de 10 anos. No segundo dia o tema é ecoesferas, para crianças a partir de 8 anos.

Começa a 2ª edição do projeto #MobilizaCampinas

O projeto #MobilizaCampinas já está aceitando doações para a sua segunda edição. O objetivo do projeto é trazer um auxílio financeiro para famílias que se encontram em vulnerabilidade social durante a pandemia. Por meio da iniciativa, a ideia é que cada família receba R$ 120 reais por mês em um cartão alimentação.

Ludwika Paleta: entrevista exclusiva sobre a série da Netflix “Mãe Só Tem Duas”

O CBN Cultura entrevistou a atriz Ludwika Paleta, estrela nascida na Polônia que logo aos dois anos foi morar no México e se consolidou como uma das maiores estrelas de novelas, séries, filmes e teatro do país. Em um papo exclusivo com o apresentador Leonardo Cassano, Ludwika se diz realizada com o sucesso da série Mãe Só Tem Duas, um original Netflix que já é a série mexicana de maior sucesso da plataforma, já visto por mais de 23 milhões de lares no mundo todo.