Mulheres ainda são minoria na política

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Divulgação/Câmara de Campinas

As mulheres representam a maior parte dos eleitores de Campinas. Somos 53% do total, pouco mais de 450 mil eleitoras. E embora o número de vereadoras mulheres eleitas na cidade seja o maior de todos os tempos, as quatro cadeiras femininas da Câmara ainda refletem uma parte muito pequena do legislativo campineiro composto por 33 representantes no total.

No Executivo, não é muito diferente. O Governo de Dário Saadi tem somente cinco mulheres no comando entre as 32 secretarias e autarquias municipais.

Para a historiadora e professora da Universidade Federal de Santa Catarina, Gláucia Fraccaro, a baixa participação das mulheres na política não pode ser reduzida a simples falta de interesse, mas a um sistema social excludente. No início da República, além das mulheres, pobres e analfabetos também não tinham direito ao voto. E o chamado “sufrágio universal”, em que todos os cidadãos podem votar, demorou anos para ser instituído no Brasil. Além disso, as corridas eleitorais se tornaram cada vez mais caras.

Mariana Conti, vereadora do PSOL, que conquistou o maior número de votos nas eleições municipais de 2020 em Campinas, ressalta que a responsabilidade pelos cuidados domésticos, da família, dos mais fragilizados como idosos e doentes, historicamente atribuída às mulheres, além das atividades de trabalho mais precarizadas e com menores rendimentos, acabam por afastar as mulheres dos cargos de poder, mesmo que, muitas vezes, sejamos nós as líderes de movimentos sociais em busca de mais direitos. De acordo com Mariana, como os partidos ainda são comandados por homens, eles acabam sendo privilegiados no processo político.

Única mulher eleita prefeita na região de Campinas, a Capitã Lucimara, do PSD, que antes de se tornar candidata trabalhou por mais de três décadas na carreira militar, ainda percebe o machismo que cerca as mulheres que assumem posições de destaque.

Para Glaucia Fraccaro, para que a democracia seja plena, é preciso que as mulheres assumam mais postos de poder, já que somos mais da metade da população brasileira e não podemos ficar de fora dos processos de decisão. Até porque, o resultado dessas definições afeta diretamente a vida das mulheres.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

83 bairros de Sumaré podem ficar sem água

A BRK Ambiental, concessionária responsável pelo saneamento básico em Sumaré realiza uma manutenção preventiva na rede nesta terça-feira.  Em função disso, 83 bairros das regiões