AC/DC e os álbuns que marcaram a mudança de vocal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Normalmente o rock pesado tem um público específico, mas entre o final dos anos 70 e o começo dos 80, dois discos lançados por um grupo formado na Austrália conseguiram, em meio a uma tragédia, aumentar o número de seguidores desse gênero.

Em 1979 o AC/DC já tinha 6 anos de carreira, discos lançados, feito turnês e trocado alguns integrantes, tudo sob o comando dos irmãos escoceses Malcolm e Angus Young, que além de guitarristas e fundadores da banda, também são responsáveis pela escolha do nome, pois foi no aspirador de pó da família que eles viram as palavras “corrente alternada – corrente contínua”, cujas iniciais em inglês formam AC/DC. E a energia atingiu o ponto alto quando em agosto saiu o disco Highway to Hell, apontado pelos fãs como um clássico.

E justamente quando o AC/DC aproveitava o sucesso, uma tragédia bem ao estilo rock and roll abalou o grupo. Na noite de 19 de fevereiro de 1980, o vocalista Bon Scott bebeu até perder os sentidos. Ao ser encontrado na manhã seguinte dentro do carro de um colega, foi levado ao hospital, mas já estava morto. A causa apontada foi asfixia provocado por refluxo. A notícia provocou boatos de que o AC/DC iria parar  de tocar, mas exatamente um ano depois de Highway to Hell, em agosto de 1980, foi lançado o disco que fez o AC / DC bater recordes.

Back in black está na lista dos mais vendidos da história nos Estados Unidos, e isso é um feito para artistas não nascidos no país. O disco apresentou o novo vocalista do AC/DC, era Brian Johnson. E a dica para encontrá-lo foi dada pelo falecido Bon Scott, que certa vez assistiu o show de um grupo e comentou com os amigos que o cantor gritava tanto que parecia que iria colocar os pulmões pra fora.

Apesar do nome Back in Black e da capa preta, o assunto morte não interessava ao AC/DC, que sempre preferiu festejar, e isso é fácil de perceber nas músicas e nas letras. Os poderosos riffs das guitarras dos irmãos Young se encaixaram perfeitamente com a voz estridente  de Brian Johnson, e as vendas mundiais comprovaram a eficácia dessa combinação. Vale destacar que o produtor de Highway to Hell e Back in Black foi o então pouco conhecido Mutt Lange, que anos mais tarde ficaria famoso por trabalhar com artistas dos mais diversos  gêneros.

Highway to Hell marcou a despedida de Bon Scott e Back in Black a entrada de Brian Johnson. Em comum os discos tem o sucesso de crítica e vendas que os fazem ser lembrados até hoje. E ajudaram o AC/DC a  levar  multidões aos seus shows.

Confira esta edição

entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

Produção

Walmir Bortoletto

Edição

Paulo Girardi

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
INVESTIGADOS
0
CONFIRMADOS
0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

A reinvenção de João Donato

Nascido em 1934 em Rio Branco no Acre João Donato de Oliveira Neto é hoje um nome muito requisitado em estúdio além de apresentações ao vivo. Muito diferente do João Donato de 50 anos atrás que  teve um inicio de carreira produtivo mas que aos  poucos foi sendo colocado de lado em função do exagero nas improvisações.

Simplesmente Cartola!

Filé à Clementina de Jesus, Feijão à Nelson Cavaquinho, Bacalhau à Paulinho da Viola . Com esse cardápio preparado por  sua eterna esposa Dona Zica que homenageava os amigos que se apresentavam na casa surgiu o restaurante Zicartola no final no anos 60. Essa fase foi um período de resgate da carreira de um dos maiores poetas da música brasileira, Cartola.

Roy Orbison, uma lenda do rock!

Com o sucesso do rock no inicio dos anos 50 várias gravadoras em todo o Pais começaram  a explorar esse novo gênero  e a Sun Records do produtor Sam Phillips se tornou o centro das atenções. Pois entre as suas estrelas estavam nomes do  peso de Elvis Presley e  Jerry Lee Lewis e a gravadora começou a lançar vários artistas e entres eles estava Roy Orbison.

O resgate do homem do campo no cd Rio Abaixo de Paulo Freire

O violeiro Paulo Freire em seu trabalho Rio Abaixo viola brasileira vencedor do premio Sharp como melhor cd de musica instrumental regional em 1995 nos brinda som a sonoridade rica a extremamente autentica da musica do sertão que segundo Paulo Freire mora dentro do bojo da viola.