MP quer explicações sobre escola cívico-militar em Campinas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A Prefeitura de Campinas tem até o fim de novembro para apresentar ao promotor da Infância e Juventude, Rodrigo Augusto de Oliveira, os motivos pelos quais aderiu ao modelo de escola cívico-militar do Governo Federal.

O prazo de 30 dias foi estabelecido após a instauração de um Procedimento Administrativo de Acompanhamento sobre a intenção do município em fazer parte do programa que prevê militares na administração das unidades.

No ofício, Oliveira argumenta que a inclusão pode ser uma afronta “à pluralidade de ideias” e questiona se as escolas municipais estão prontas para o projeto e a possibilidade de militares inativos em funções de gestão.

A medida foi tomada após representação feita pelo vereador Gustavo Petta, do PCdoB, que viu falta de debate sobre o assunto por parte da Administração e se baseou na Gestão Democrática, prevista na Lei Orgânica do Município.

Mas conforme o prefeito, Jonas Donizette, do PSB, a ideia de implantar o programa na cidade surgiu com base no interesse de pais de alunos da rede municipal. Ele também garante que tem a intenção de levar o tema a debate.

Porém, argumenta que a aplicação da proposta só seria feita após a concordância da comunidade escolar e diz que o interesse é ouvir os responsáveis sobre em qual escola o programa seria de fato melhor aplicado.

Oficialmente, a Secretaria Municipal de Educação informou que fez a adesão ao projeto e está aguardando o parecer do Ministério da Educação, que indicará se a cidade está apta. A pasta também alegou não ter sido notificada pelo MP.

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos