O elogiado LP “Coisas” do arranjador Moacir Santos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Ao lançar o seu primeiro disco solo 1965  que tinha como base as musicas compostas  para  alguns  filmes entre eles de   Cacá Diegues e  Ruy Guerra com o nome de  Coisas, que  Moacir Santos promoveu um marco na música instrumental brasileira com este   projeto  que sintetizou  a sua obra.

Nascido em Pernambuco em 1926  já tinha na  Orquestra da cidade de Flores o caminho para a música na qual aprendeu a tocar todos os instrumentos.  E vivendo com uma família adotiva, saiu de casa aos 14 anos para trabalhar como músico de circo… assim surgiu o arranjador, compositor, cantor  e saxofonista Moacir Santos.

Moacir Santos  deu um novo rumo em sua trajetória a partir de 1947 como  maestro de rádio Tabajara em João Pessoa, depois seguiu  para ser saxofonista da orquestra da Rádio Nacional e ao aceitar o  cargo aos 25 anos de idade  de    arranjador nesta  orquestra assume o estudo formal de música.

Ao dar aulas   para Roberto Menescal, Baden Powell, Carlos Lyra, Eumir Deodato … Moacir  acabou ajudando a promover  a  música que iria se consolidar no final dos 50 e inicio dos 60, como a Bossa Nova e o Samba Jazz . Uma vez que trazia no seu repertório a junção de uma música erudita com elementos populares.

Em 1967  ao sair da Rádio Nacional se mudou  para os Estados Unidos  para continuar lecionando  e trabalhar como  compositor de trilha para o cinema, inclusive trabalhou  com a  equipe de Henry Mancini . Depois de Coisas, Moacir lançou  mais 4 álbuns até 1981 e ainda compôs mais 2 trilhas para o cinema.

Considerado um projeto de maturidade o Lp Coisas   traz uma valorização da cultura africana nos arranjos de percussão com a utilização de instrumentos como berimbau, atabaques e agogô. Alias coisas era a forma como   Moacir se referia as suas músicas ao apresentar aos amigos.

A obra de Moacir Santos que morreu em 2006 além dos ritmos afros, passou por diferentes estilos como os latinos merengue e a rumba além do próprio Samba e em sua temporada nos Estados Unidos lançou projetos calcados no jazz. Enfim todo esse interesse pelo universo a sua volta o consolidou como  um artista  eclético.

 

Confira esta edição

 

entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

Produção

Walmir Bortoletto

Edição

Paulo Girardi

 

 

 

 

 

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

A disco music do grupo Chic

Luzes e roupas coloridas, calça boca de sino, maquiagem pesada e pessoas querendo dançar. Esse era o clima da chamada discoteca, que partiu dos Estados