Billie Holiday o triste brilho de uma diva do Jazz.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Contar a historia de uma cantora americana de jazz do século passado que  se apresentava com uma gardênia no cabelo parece algo romântico. O amor como tema principal e o charmoso visual das décadas de 30 ,  40  e 50 dão um clima de nostalgia.Pois esqueça toda essa aparente inocência e mergulhe na realidade do racismo contra os negros, da pobreza, da prostituição  e das escolhas que fizeram parte da turbulenta vida de Billie Holiday.

 

Ao contrario de muitos artistas que começam a desenvolver suas habilidades na infância  Billie Holiday só foi ter um pouco de intimidade com a música já na adolescência quando ela e a mãe moravam numa casa de prostituição em Nova York . Depois de ser reprovada em um  teste para dançarina  um pianista estimulou Billie a cantar. Mas até a esse ponto muita coisa já havia acontecido na vida de  Eleanora Fagan Gough que ficou famosa ao unir o primeiro nome de uma atriz com o sobrenome do  suposto pai.

 

Imagine uma criança negra nascida em 1915 nos Estados Unidos na mais absoluta miséria,  filha de uma adolescente solteira expulsa de casa e abandonada pelo pai,  criada nesse cenário com ajuda de uma tia Billie Holiday foi vitima de abuso sexual por parte de um vizinho . Depois desse terrível episodio aconteceu a mudança de  Baltimore para Nova York cidade onde ela e a mãe chegaram a passar pequenos períodos na cadeia por conta da atividade no bordel.

 

Ter passado por tanto sofrimento talvez tenha influenciado Billie Holiday a colocar sentimento na hora de cantar algo comum para os homens no blues,  mas fora dos padrões no jazz , ainda mais para uma moça que dava os primeiros passos na carreira artística na década de 30. Um toque de sensualidade na pronuncia  de algumas palavras  era outra característica  que também incomodava os conservadores .

 

 

Billie Holiday chegou a se apresentar com nomes importantes do jazz como Louis Armstrong e Duke Ellington alem de ter sido vocalista de duas big bands. Mas enquanto se desenvolvia como artista enfrentava o racismo, em alguns hotéis precisou usar o elevador de serviço e passar pela cozinha para ter acesso ao palco com tamanha discriminação não é de se estranhar que  um de seus  maiores sucessos seja um hino entre as canções de protesto.

 

Strange  Fruit  é um poema escrito por um professor judeu que ficou indignado ao ver negros enforcados  numa arvore daí o título fruto estranho .  Musicado ele se tornou um clássico obrigatório no repertório de Billie Holiday , mas os problemas enfrentados pela cantora não foram  causados só pelo racismo.  A partir de década de 40 por conta do vício em bebidas alcoólicas e drogas  ela teve cancelado um cartão que permitia se apresentar em cabarés de Nova York  o que restringiu seu campo de trabalho . E com a saúde debilitada Billie Holiday morreu em 1959 com apenas 44 anos.

 

Numa indústria fonográfica que ainda estava se formando  Billie Holiday lançou compactos e LPs por pelo menos 6 gravadoras,   passou por dois casamentos controversos e não teve filhos.  A biografia lançada por ela um pouco antes de morrer serviu de base para o filme estrelado por  Diana Ross no começa dos anos 70 a história de uma vida conturbada  levada as telas dos cinemas rendeu um status de mito e uma fama que ela não  teve enquanto estava viva,  as homenagens a Billie Holiday todas póstumas comprovam isso.

Confira esta edição

 

entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

produção

Walmir Bortoletto

edição

Paulo Girardi

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

COVID-19

Casos de coronavírus em Campinas
0
DESCARTADOS
0
INVESTIGADOS
0
CONFIRMADOS
0
MORTES
Play Video

Ao vivo

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Começo, recomeço e regresso

Flávio Paradella e Roberto Nonato debatem o Plano SP. A região de Campinas e a Grande São Paulo vivem realidades distintas quanto a pandemia e

Universo sonoro de Pulp Fiction

Badalado nos anos 90 pela indústria cinematográfica dos Estados Unidos  o diretor, ator   e roteirista Quentin Jerome Tarantino conquistou  bastante prestígio no início de