Bailes canções lentas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em qualquer sociedade  são constantes as mudanças de comportamento. Costumes que em determinado período parecem uma febre, de repente se tornam escassos ou simplesmente desaparecem. Trazendo para o campo musical, a seleção de lentas em bailes para adolescentes é um exemplo dessas transformações. Garotas e garotos de hoje em dia não conhecem nem a expressão “ dois pra lá, dois pra cá ” que identifica o movimento do corpo. Durante as décadas  de 70 e 80, todo baile reservava um espaço para que o clima ficasse mais romântico entre a juventude. E o bloco com músicas lentas não era restrito a festas que tocavam o gênero popular.  Artistas ligados a discoteca, funk, New Wave e até rock gravavam pelo menos uma canção que servia para meninos e meninas experimentarem a sensação de dançarem juntinhos.

Quando as luzes coloridas do salão se apagavam e a iluminação ficava fraca, começava o momento mais aguardado e temido da noite. Enquanto os namorados aproveitavam a intimidade de estarem abraçados desde os primeiros acordes, os outros passavam por um turbilhão de sentimentos. A expectativa do convite para dançar. A ansiedade para que o pedido não demorasse . A alegria de ser a pessoa certa e a decepção de ser a errada. E em meio a tudo isso, garotos aflitos, pois cabia a eles, na maioria dos casos a responsabilidade de se aproximar , e nessa hora, o medo era de ser rejeitado e ficar sem graça.

A seleção de música lenta podia deixar os adolescentes ainda mais alegres ou preocupados, isso porque ela também tinha espaço nas festas que aconteciam nas casas, o que significava ficar sob o olhar de pessoas conhecidas. Esses encontros  geralmente eram marcados para o sábado a noite e reuniam colegas de escola . Tudo começava com alguém oferecendo o quintal, porão ou garagem. Na sequência era necessária a autorização dos pais. Pra conseguir a liberação, não podia faltar a promessa de não estragar nada, de fazer tudo com cuidado, de acabar cedo e de convidar poucas pessoas. Diga-se de passagem, dificilmente esses compromissos eram cumpridos.

Nas festas caseiras sempre havia alguém interessado em bancar o DJ e escolher as músicas. Como estamos falando de uma época sem as facilidades do computador , todos  podiam colaborar, meninos e meninas levavam os discos para aumentar o repertório. Dois aparelhos de som ajudavam na mixagem para que não houvesse a necessidade de esperar os espaços entre as faixas do vinil. As vezes surgiram fitas cassetes com uma seleção de pelo menos trinta minutos já montadas, evitando assim que o casal se separasse nos possíveis  espaços entre as faixas.

Os adolescentes do século XXI desconhecem o prazer  da dançar a dois. Salões regularizados raramente permitem a entrada de menores de 18 anos, e mesmo quando isso acontece, não existe a seleção de música lenta. A outra opção parece inviável com a violência da atualidade, afinal ninguém quer correr o risco de abrir a casa para fazer uma festa. Como a realidade de garotos nos tempos atuais  é diferente da vivenciada nas décadas de 70 e 80, eles passam por uma etapa importante da vida sem experimentar o prazer de dançar de rosto colado.

O quadro Musica é Cultura relembra  a fase em que era comum  a seleção de  canções  lentas nos  bailes.

entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

Apresentação

Robson Santos

produção

Walmir Bortoletto

edição

Paulo Girardi

 

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Série baseada em fatos reais estreia na Netflix

“O Falsificador Mórmon”, série documental da Netflix que conta uma história intrigante baseada em acontecimentos reais, chega com a primeira temporada ao catálogo. A produção aborda três atentados a bomba que mataram duas pessoas na comunidade mórmon de Salt Lake City, nos EUA. “Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta”, que também estreia no serviço, mescla drama e comédia.