O panorama musical de Buena Vista Social Club

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Nos anos 40, antes da revolução,  o  cenário cultural e do entretenimento em  Cuba  vivia um momento  fervescente .  A política de aproximação com  os Estados Unidos  deixou  como herança os famosos carros bem como a paixão pelo baiseball  entre outras marcas . Naqueles  dias a  capital Havana  além de  turistas atraia artistas de varias regiões do Pais que se apresentavam em   diversos clubes que se dedicavam a música e a dança como a casa  Buena Vista Social Club. Mais de 50 anos depois  muitos desses cantores, músicos e compositores ,  já estavam  longe dos palcos e há um bom tempo já  viviam no ostracismo dentro do próprio pais. E foi através do projeto com o guitarrista  americano  Ry Cooder em 1996  que esses senhores  que se apresentavam na antiga casa, reconquistaram o  prestígio, ou tiveram pela primeira um reconhecimento    mundo a fora  através do lançamento do CD Buena Vista Social Club

Esse projeto trouxe 14 faixas sendo cada uma de  um compositor diferente.  As  gravações  deste cd que aconteceram  em Havana  apresentaram diferentes estilos da tradicional  cultura cubana. Ritmos como guajira,  também conhecido como o blues cubano,  bolero , além do son, estilo que é classificado como base para  musica caribenha  que carrega a fusão da musica espanhola com o percussão africana.

Buena Vista Social Club  rendeu ao produtor  e guitarrista   Ry Cooder   o  Grammy  em 1997, ele que já tinha  o seu nome ligado  ao blues , rock , jazz além de assinar trilhas sonoras para o cinema.  O  envolvimento de Ry Cooder com  o projeto estimulou o amigo e  cineasta alemão Wim Wenders há ir  com ele para Cuba . O resultado foi um documentário que alterna depoimento dos integrantes do grupo com imagens de duas apresentações em Amisterdam e NY .

Além das performances inspiradíssimas e exclusivas para o documentário     que foi lançado em 1999 e  que tem o mesmo nome do grupo,    existiu um elemento  a mais. No filme foi   possível conhecer  as histórias de alguns   personagens marcantes  da primeira fase  do  grupo como Campany Segundo  que tocava  o 3 instrumento de corda que lembra na nossa viola caipira, o pianista Rubém Gonzales,   o   cantor Ibrahim Ferrer e a cantora Omara Portuondo.

 

O espírito em  manter a essência da musica  cubana ,  encorajou   jovens músicos  a ingressarem também ao  Buena Vista Social Club  junto aos veteranos   em apresentações pelo mundo. Em 2008  foi lançado um cd duplo e DVD com a apresentação  histórica em NY no Carnegie Hall   a mesma que fez parte do documentário de Wim Wenders.

Conhecer o universo de Buena Vista Social Club nos  remete a uma viagem no tempo da cultura cubana  uma tradição  que nas últimas décadas sofreu pouca interferência  em função das escolhas do governo . E  o projeto também revelou  artistas  que não tiveram a mesma projeção de nomes consagrados da musica cubana, mas que carregam  uma  sonoridade verdadeira e acima de tudo de alta qualidade.

 

Acompanhe esta edição

 

 

entre em contato

musicaecultura@cbncampinas.com.br

Apresentação

Robson Santos

Produção

Walmir Bortoletto

Edição

Paulo Girardi

Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes

Colunas

Fale com a gente!

WhatsApp CBN

Participe enviando sua mensagem para a CBN Campinas

Siga-nos

Veja também

Série baseada em fatos reais estreia na Netflix

“O Falsificador Mórmon”, série documental da Netflix que conta uma história intrigante baseada em acontecimentos reais, chega com a primeira temporada ao catálogo. A produção aborda três atentados a bomba que mataram duas pessoas na comunidade mórmon de Salt Lake City, nos EUA. “Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta”, que também estreia no serviço, mescla drama e comédia.